domingo, 1 de novembro de 2015

Afinal de Contas de Onde Surgiu a Bíblia e Qual Seu Real Valor?

Já escrevi neste blog um artigo sobre a importância da Bíblia (Sagradas Escrituras) como única regra de fé e prática cristã, pontuando inúmeras e contundentes razões, mesmo diante do desprezo que muitos grupos ditos cristãos têm para com ela. Referindo-me aos neoevangélicos e católicos romanos. 

Pra minha surpresa, começou a circular nas redes sociais as declarações da imagem ao lado, com relação a Palavra de Deus escrita através de ditos de nomes que são tidos como referência no meio protestante e católico em seus setores mais conservador. As frases são bem elaboradas. Mas, por incrível que pareça há equívocos e verdades em ambas as afirmações tanto na do padre como na do pastor. Deixe-me citar sucintamente alguns, para maior esclarecimento quanto ao assunto em pauta, afim de dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus:

Simplificando alguns acertos: 1) as Sagradas Escrituras já existiam desde o tempo de Moisés, só não estavam completas como hoje com seus 66 livros...acertou o pastor. 2) De fato, a compilação da Bíblia foi feita pela igreja antiga que no tempo era denominada católica, século 4...acertou o padre. 

Simplificando alguns erros: 1) Quando a Bíblia foi tida como completa no século 4 pela igreja católica antiga, ela ainda não era conhecida oficialmente como católica romana...logo, não foi a igreja católica romana que compilou a bíblia e sim a igreja universal (católica) da época...errou o padre. 2) Quando o Novo Testamento foi escrito no 1º século pelos apóstolos a igreja ainda não possuía nenhuma denominação de fato, nem era católica e nem protestante. Todavia, o pastor erra quando diz que antes do século 4 não havia igreja católica. Pois, a igreja apostólica se tornou católica (universal) a partir do 2º século e não do 4º. O que não existia antes do século 4 repito, era a ICAR (Igreja Católica Apostólica Romana) que na verdade não surgiu no século 4, e sim, no século 11...equivocou-se no caso o pastor. Em outra postagem aqui do blog, já expliquei que existem vários tipos de catolicismo no mundo. Principalmente no Oriente. A igreja católica que conhecemos é a romana que predomina no mundo ocidental...poucas pessoas sabem disso por que não pesquisam as origens de sua própria fé. Por isso, que na Reforma, os reformadores lutaram para que a igreja voltasse ao modelo dos 4 primeiros séculos da era cristã quando não havia penetrado o paganismo no cristianismo por meio do imperador Constantino que foi o primeiro a promover a Igreja de Roma que fazia parte da capital do império. 

Mas, afinal de contas qual o valor de uma discussão acerca da origem da bíblia? Qual a importância se seus reais compiladores foram hebreus, judeus, católicos ou protestantes? Para mim, o importante é saber que desde a antiguidade a Bíblia está parcial ou totalmente a disposição da humanidade. Seja por meio dos hebreus, dos judeus, dos católicos ou dos protestantes. Nada adiante ter um mapa ou uma bússola e não se guiar por eles.

No caso de nós cristãos reformados (protestantes), o valor da bíblia não está em sua compilação por mais importante que tenha sido seu processo, mas sim, em seguirmos seus santos ensinos (Sl 1:1). 

SOLA SCRIPTURA sempre. Louvemos a Deus pelo Catolicismo primitivo que nos deu a Bíblia em sua forma atual com 72 ou 66 livros, e mais ainda, pela Reforma Protestante que trouxe a Bíblia pra o povo de Deus e o povo de Deus para a Bíblia novamente através de sua tradução, leitura e pregação vernacular!

Pr.Samuel Santos (3ª Igreja Evangélica Congregacional de João Pessoa/AIECB)